Chegada e adaptação em Vancouver

Antes mesmo de descer do avião já tinha reparado na quantidade de verde que a cidade tem. Diferente de você pousar em uma cidade onde se vê muitos prédios gigantes. Já gostei porque me fez lembrar Brasília. A chegada em si foi um pouco tumultuada porque depois de passar pela imigração e buscar minha mala, eu tive que seguir para uma sala onde esperei eternamente em uma fila para tirar meu study permit e meu work permit. Dentro da sala não pode usar telefone celular, então vocês devem imaginar a preocupação da minha mãe em eu não ter dado notícia depois de 1 hora que o avião pousou!
Como eu recusei o transfer do aeroporto-casa de família, já tinha feito amizade no avião e já tinha arrumado uma carona, mas perdi pela demora. Antes de sair do Brasil, liguei na minha casa de família avisando que eu estava a caminho e dei o horário da minha chegada, na esperança deles irem me buscar 🙂 E eles foram! Mas foram embora porque não me encontraram. Assim que saí com todas minhas permissões, peguei um taxi, fui para minha nova casa e liguei pra minha mãe!
Assim que cheguei fui muito bem recebida, a Janet (minha host mom) me mostrou a casa, me apresentou todo mundo (ela tem cinco filhos!) e me passou todas as regras. Na verdade ela só tinha uma regra: se eu resolvesse jantar fora ou ficar direto na rua da escola, pra eu ligar avisando. No dia seguinte, um domingo, ela me levou para conhecer o caminho que eu iria fazer para ir pra escola. Fomos de metrô até downtown, ela me explicou como funciona o metrô, me mostrou a escola e aproveitamos para passear um pouco mais. Ela me levou para a rua das compras, que fica bem pertinho da escola, me apresentou algumas lojas canadenses e voltamos pra casa.

Quando você opta por ficar em casa de família, você deve escolher entre uma casa na zona 1, perto de downtown  ou na zona 2 que fica mais afastado. Eu escolhi zona 1 porque não queria perder muito tempo na transição de um lugar para outro. Você paga um pouco mais caro pela zona 1, em compensação, seu passe mensal é mais barato do que passe de quem mora na zona 2. Na minha opinião, vale a pena pagar pela zona 1, você fica próximo do centro e de grande parte dos pontos turísticos, e não perde 30 ou 40 minutos no transporte público. Minha casa de família tinha uma localização excelente. Cinco minutos a pé até o metrô e 3 paradas eu já estava no centro, dois blocos da escola. Bom, mas essa é uma decisão individual e particular.
Vancouver em si é uma cidade maravilhosa, com muito verde, ruas largas e planas e com muitas opções de lazer, durante o dia e à noite. O pessoal lá faz muito esporte ao ar livre, eles adoram o estilo de vida outdoors. Muita bike e patins pelas ruas, principalmente nos meses de verão. E por falar nisso, as temperaturas no verão ficam em torno de 23°C até 30°C e no inverno varia entre 0°C e 5°C. Não chega a ser -40°C como você já deve ter ouvido falar, isso se dá porque Vancouver está protegida por uma cadeia de montanhas, então as temperaturas costumam ficar mais amenas. A temperatura mais baixa que peguei lá foi -5°C em fevereiro. Na cidade em si não neva muito, mas chove bastante.

No próximo post vou compartilhar com vocês uma lista que eu escrevi quando estava lá sobre as coisas mais loucas de Vancouver. Não perca!

Ficou alguma dúvida? Comente aqui!

Perdeu o post do início do meu intercâmbio? Clique aqui.

0 Replies to “Chegada e adaptação em Vancouver”

  1. Amei!
    Quero conhecer, podemos voltar lá? 😀

  2. Boa ideia! Depois que eu acabar de escrever essa série com as aulas de inglês, faço um post dedicado às faculdades lá! Beijos

  3. Adorei! voce bem que poderia fazer um post com as possibilidades de estudar no canada na faculdade também… moda… =D
    to adorando o blog lu!

    beijinhos e sucesso

Deixe uma resposta