Fast Fashion e o Consumismo

fast-fashion-e-consumismo

Eu entendo Fast Fashion como sendo o processo de produção de moda onde tudo acontece de forma acelerada – a produção da peça em si, o consumo e o descarte. Ver uma roupa da passarela na loja física uma semana depois do desfile só é possível graças à essa produção acelerada – e em grande escala!

Há um ano atrás, contei pra vocês sobre como minha relação com a moda mudou depois do minimalismo e o tanto que aprendi sobre os impactos que esse modelo de produção tem hoje no meio ambiente e no mundo (recomendo o documentário True Cost no Netflix). Doze meses depois, tenho ainda mais certeza de que nós consumidores somos um dos grandes responsáveis por isso e a mudança só depende da gente.

“Não existe essa coisa chamada Fast Fashion, apenas o consumismo cada vez mais acelerado”

– Dilys Williams

Nesse momento, pouco me importa se você quer fazer a mudança por você, pelo seu próprio bolso, pelo meio ambiente ou pelas mulheres e crianças que trabalham em condições desumanas em Bangladesh. Meu objetivo aqui é te mostrar que você tem o poder de compra e, portanto, você tem o poder da escolha.

Aquelas roupas só estão nas araras em tempo recorde porque você quer as novidades fashion no guarda-roupa antes de todo mundo. A quantidade de roupa disponível só é produzida porque você prefere comprar muita quantidade ao invés de uma peça de qualidade. Os desginers só estão criando 52 coleções por ano (ao invés das 4 que aprendemos na escola) porque você quer sempre algo novo e “nunca tem o que vestir”.

Basta levar em consideração a regrinha básica de oferta e demanda que eu te falo com certeza que, se você desacelerar, mudar a forma como consome e a maneira como pensa a respeito das suas roupas e coisas materiais que possui, as empresas fast fashion vão mudar a maneira como produzem. É simples, elas produzem pra vender e lucrar. Se você comprar menos, elas vão produzir menos para não perder dindin.

Então, você não acha que esse modelo que chamamos de fast fashion só existe porque nós, consumidores, o alimentamos consumindo de forma acelerada e sem intenção?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *